Com duas confirmações, 26 casos de sarampo ainda estão em investigação

Com duas confirmações, 26 casos de sarampo ainda estão em investigação

Campanha nacional de vacinação acontece no mês que vem

FÁBIO ORUÊ, com Agência Brasil


A incidência em menores de 1 ano de idade é dez vezes maior do que na população em geral – Foto: Bruno Henrique/ Arquivo/ Correio do Estado

Após dois casos confirmados em Mato Grosso do Sul, outros 26 ainda estão sendo investigados pelo Estado, que entrou na lista de locais com surto ativo, abrangendo atualmente 19 estados da federação. O Ministério da Saúde define que se há caso confirmado, há surto ativo, independente do caso ser importado ou não. Em MS, as duas confirmações são importados.  

Em 2019, dos 58 casos suspeitos, 30 já foram descartados. Entre os casos confirmados está uma bebê de apenas 10 meses, que foi diagnosticada após testes realizados pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Ela viajou para o estado de São Paulo, em agosto, e quando na volta para Campo Grande começou a apresentar os sintomas. 

Além da bebê, foi confirmado o primeiro caso do Estado em Três Lagoas, sendo de um homem de 52 anos. Ele esteve recentemente em Jundiaí (SP), onde apresentou os primeiros sintomas de sarampo e retornou a Três Lagoas, cinco dias após o início do “exantema” (manchas e erupções cutâneas, sintomas típicos da doença).

Por meio de nota, a SES informou que a contaminação do paciente ocorreu em Guararema (SP). Segundo o texto, os sintomas apareceram em 19 de agosto e a coleta ocorreu no período que o paciente se encontrava no estado de São Paulo.

A vacinação é uma das principais estratégias para combater a doença. A Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo ocorrerá em duas etapas este ano. A primeira, de 7 a 25 de outubro, para crianças de 6 meses a menores de 5 anos. O dia D, dia de mobilização nacional, ocorrerá no dia 19 de outubro. 

A segunda etapa será realizada de 18 a 30 de novembro, com foco na população de 20 a 29 anos. O dia D será no dia 30 de novembro. Essa faixa etária é a que concentra a maior frequência dos casos. A vacina a ser tomada é a tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola.

Ao todo, foram distribuídos, pelo Ministério da Saúde, R$ 22,8 milhões para garantir a vacinação de rotina nos estados e a dose extra, chamada de dose zero, às crianças de seis meses a 11 meses e 29 dias. Mais R$ 37 milhões serão destinados para este fim até dezembro.

O Brasil registrou 4.507 casos confirmados de sarampo em 19 estados, nos últimos 90 dias, de acordo com balanço divulgado hoje (25) pelo Ministério da Saúde. O número representa um aumento de 13% em relação ao último monitoramento. Ceará e Paraíba passaram a integrar a lista de estados com transmissão ativa do sarampo.

Os dados referem-se ao período de 30 de junho a 21 de setembro e representam 84,3% do total de casos registrados este ano. O balanço mostra ainda que há 21.711 casos em investigação e 5.818 que foram descartados. Não há novos registros de mortes pela doença. Ao todo, neste ano, foram registrados quatro óbitos. 

A incidência em menores de 1 ano de idade é dez vezes maior do que na população em geral. A cada 100 mil habitantes, 64 crianças nessa faixa etária obtiveram confirmação para o sarampo. A segunda faixa etária mais atingida é de 1 a 4 anos. Três das quatro mortes por sarampo registradas neste ano foram de crianças menores de 1 ano e uma de um indivíduo de 42 anos. 

No ano passado, foram confirmados 10.330 casos de sarampo no Brasil. Ao todo, foram registradas 12 mortes pela doença em 2018. 

Segundo o secretário de Vigilância em Saúde da pasta, Wanderson Kleber, a população não pode descuidar da vacinação. “Não podemos baixar a guarda porque o vírus do sarampo é extremamente transmissível”, alerta. A meta da pasta é a interrupção da circulação do vírus no Brasil e a manutenção de altas coberturas vacinais. 

O sarampo é uma doença viral grave e altamente contagiosa que pode evoluir para complicações e levar à morte. A transmissão ocorre no contato de pessoa para pessoa e pela propagação no ar.  

tribuna

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *