24 de outubro de 2020

Implantação de 40 km da MS-228 muda cenários no Pantanal

Silvio Andrade

Luciano de Barros ao lado do governador. (Fotos: Chico Ribeiro)Luciano de Barros ao lado do governador. (Fotos: Chico Ribeiro)

“Vamos passar por um ciclo transformador, pois o acesso por estradas é tudo para o pantaneiro”, comemorou o pecuarista Ulisses Serra Neto, o Noninho, ao citar os benefícios que a implantação de 40 quilômetros da rodovia MS-228 trará ao Pantanal e ao homem que ali vive. O governador Reinaldo Azambuja assinou esta semana a ordem de licitação da obra, orçada em R$ 8,4 milhões com recursos do Fundersul.

As dificuldades de tráfego isolam secularmente a região, pelas características de solo (arenoso) e inundações anuais, e a ligação rodoviária para permitir o escoamento da produção de bois, abastecimento das fazendas e o fomento também ao turismo é uma luta antiga dos fazendeiros. Para o presidente do Sindicato Rural de Corumbá, Luciano Leite, “pela primeira vez um governador enxergou a importância de uma estrada para o pantaneiro”.

Estrada mudará tudo

A obra projetada pelo governador Reinaldo Azambuja ligará o trecho implantado há mais de 20 anos entre o km 18 da MS-228 à Fazenda Nhumirim, unidade de pesquisa da Embrapa Pantanal na região da Nhecolândia, em Corumbá. Hoje, a partir da Curva do Leque (entroncamento com a MS-184, que corta a Estrada Parque), veículos pequenos e caminhões conseguem chegar apenas até a Fazenda Novo Horizonte, local de grandes leilões de gado.

No trecho de 40 quilômetros, serão executados serviços de aterramento, drenagem e cascalhamento da pista usando resíduos de minérios cedidos pela Vale, com espessura de 15 centímetros. A chegada da infraestrutura eliminará os alagadiços e a grande concentração de areia, que forma bitolas de até um metro de profundidade – obstáculos naturais que impedem o vai-e-vem do pantaneiro e dos visitantes atraídos pelas belezas do Pantanal.

“O acesso vai nos permitir tirar o gado de caminhão da fazenda, sem precisar levar esse gado por cinco ou seis marchas, perdendo peso e preço no caminho”, afirma Noninho, dono da Fazenda Campo Leda. “Estamos agradecidos ao governador, a estrada muda tudo, vai beneficiar o social, pois melhora o conforto nas fazendas e nas colônias, e também reduz nossos custos de transporte e agrega valor ao preço final do nosso produto.”

Reinaldo será lembrado

Para o pecuarista e leiloeiro Carlos Guaritá, da Novo Horizonte, nem os tradicionais pantaneiros sonhavam com a abertura dessa estrada pelo governo. “Temos acompanhado o desempenho do governador Reinaldo Azambuja e do secretário Marcelo Miglioli (Infraestrutura) em executar uma grande obra de interligação no Pantanal”, comentou. Guarita citou ainda o cuidado do governo na manutenção das pontes de madeira.

“O pantaneiro não imaginava mais que a estrada poderia chegar à porteira de sua fazenda”, enfatizou. “O governador acreditou no potencial da nossa pecuária e será sempre lembrado por este feito, que mostra a seriedade do seu governo”, acrescentou. Guaritá destacou, ainda, o esforço do governo estadual na implantação da rede de energia elétrica na planície.

Outro pecuarista entusiasmado com a chegada da infraestrutura viária no Pantanal é Luciano Barros, filho do tradicional pantaneiro Abílio Leite de Barros. Ele disse que, a partir de agora, o fazendeiro poderá embarcar seu gado do curral da fazenda, resultando em maior rentabilidade e valorização do nelore criado a pasto. “Em mais de 40 anos, o Reinaldo (Azambuja) foi o único governador que olhou para a nossa região e será sempre lembrado”, disse.

 

O pecuarista Carlos Guarita.O pecuarista Carlos Guarita.
Rodovia MS-228 passa por grandes fazendas.Rodovia MS-228 passa por grandes fazendas.

Integrando os pantanais

Além do trecho de 40 quilômetros da MS-228, o governo, por meio da Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos), executa outros 19 quilômetros da mesma rodovia entre a Vazante do Castelo e a Fazenda Conceição, limite dos municípios de Aquidauana e Rio Verde, região norte do Estado. Também estão sendo implantados 34 quilômetros da MS-423, descendo a Serra da Alegria (Rio Verde) até a Fazenda Morrinho, com mais de 80% concluídos.

“Vamos ligar os pantanais de Corumbá, Aquidauana, Rio Verde e Coxim por estradas transitáveis o ano todo”, garantiu o governador Reinaldo Azambuja. Os investimentos ultrapassam os R$ 25 milhões, recursos próprios captados pelo Fundersul, e está projetada também a implantação da MS-214, interligando os pantanais do Paiaguás e Nhecolândia, a partir de Coxim, na confluência da ponte de concreto sobre o Rio Taquari.

Trecho já implantado da rodovia perto da curva do leque.Trecho já implantado da rodovia perto da curva do leque.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *