6 de julho de 2022

Paulo Corrêa destaca evento de integração com países envolvidos na Rota Biocêanica

Para exemplificar como a rota vai impactar o Estado, o deputado falou que “o vinho que a gente consome em Campo Grande que seja chileno ou argentino, vem desses países, mas entra por São Borja lá no Rio Grande do Sul, com o término na Bioceânica vai entrar por Porto Murtinho, é uma mudança substancial. Todo o vinhos deste países consumidos no Norte do Brasil vai entra por MS”, calculou.

Paulo Corrêa ainda falou da soja, cujo o processo é inverso. “A soja nós mandamos daqui pra lá |China|, vamos economizar 11 dias na entrega, já que atualmente embarcamos aqui em baixo no Oceano Atlântico, e com a nova rota vamos acessar o Pacífico em linha reta, com uma economia de tempo e recursos imensa”, computou.

Para o parlamentar temos os produtos que não poluem “o turismo”, as águas de Bonito e as maravilhas de MS. De outro lado podemos ir de carro para o Vale Nevado, onde as pessoas vão esquiar, conhecer o deserto de Atacama o produto deles, e no norte da Argentina a 1000 KM de Campo Grande fica Salta na base da Cordilheira dos Andes, onde produzem o melhor vinho Malbec da Argentina”, afirmou.

A estimativa é que os turistas asiáticos possam aumentar o fluxo para MS. “Também estaremos mais próximos no porto de Seatle, vamos fornecer lá, levar nossa carne pra lá. Hoje somos o maior produtor de Tilápia do Brasil, em Dourados na semana passada o governador Reinaldo Azambuja participou do lançamento da ampliação da planta do frigorífico suíno, que vai abater agora 10 mil animais dia, antes eram 5 mil”, explicou.

O deputado destaca ainda que a nova Rota tem a mesma importância do Canal do Panamá “Só que aqui não precisamos disparar nenhum tiro de canhão nem ameaçar ninguém foi tudo de comum acordo”, finalizou.

No início do 1º Fórum, no Plenário Deputado Júlio Maia, está previsto o Ato de Assinatura dos Convênios Intermunicipais da Rota Bioceânica. Em seguida, entre os temas previstos para a manhã de quinta-feira (26), estão a “Importância da Rota Bioceânica para a Advocacia”, “As Vantagens do Corredor Rodoviário Bioceânico e seu Impacto Comercial”, “Produção, Infraestrutura e Logística”, “Acordo de Livre Comércio Chile-Brasil” e “Zonas Francas da Província de Jujuy”.

O tema previsto para o painel do período vespertino é o transporte ferroviário. Entre os assuntos, estão a “Indicação de custos, disponibilidade de carga e tempo”, “Potencial de Carga e as Condições da Malha Oeste” e a “Apresentação da Proposta de Integração do Sistema Ferroviário Bioceânico”. Também devem ser proferidas as palestras “A Experiência Inovadora do Financiamento de Obras Públicas por Itaipu Binacional”, “O Potencial Agrícola de Mato Grosso do Sul e o Corredor Rodoviário Bioceânico” e “Chile, ambiente de negócios e oportunidades de investimento”, entre outros temas.

Na sexta-feira (27), no período matutino, está prevista a fala sobre “O Potencial de Comércio e as Experiências Exportadoras de Tarapacá”, “Exportação de Frango para o Chile e Dificuldades”, e a “Exportação de Grãos para a Ásia pelo Corredor Rodoviário Bioceânico”. Também deve ser tratado sobre “Corredor Bioceânico, Oportunidades de Comércio e Investimento” e “Rota Bioceânica e o Desenvolvimento Sustentável da erva mate na Região Sul Fronteira de Mato Grosso do Sul”.

No período vespertino, na sexta-feira (27), os temas previstos versam sobre o “Porto de Iquique a serviço do Corredor Rodoviário Bioceânico”; “Apresentação do Porto de Antofagasta”; e o “Posicionamento do Porto de Barranqueras”. Finalizando o 1º Forum, está prevista a abordagem do “Desenvolvimento dos Solos do Corredor Bioceânico” e “O Potencial Mineral de Mato Grosso do Sul”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *