19 de outubro de 2021

MS aposta em ter 60% da população vacinada para tentar ‘afastar’ variante delta

Variante de origem indiana já foi identificada em estados vizinhos, como Paraná e São Paulo

Mylena Rocha Publicado

Estado tem 47,4% da população com pelo menos a primeira dose.
Estado tem 47,4% da população com pelo menos a primeira dose. – Henrique Arakaki/Midiamax

São Paulo registrou nesta semana o primeiro caso da variante delta do coronavírus e no mês passado foi identificado um caso no Paraná. Já presente nos estados vizinhos, aos poucos a nova variante começa a ‘cercar’ o Mato Grosso do Sul. Para evitar um novo pico de internações e mortes, a aposta da SES (Secretaria de Estado de Saúde) é investir na vacinação. 

A OMS (Organização Mundial de Saúde) aponta que a variante delta é muito mais transmissível do que as outras mutações já identificadas e pode se espalhar pelo mundo todo. O secretário estadual de saúde, Geraldo Resende, afirma que a principal e mais efetiva medida para evitar a contaminação pela nova variante é imunizar a população o quanto antes. “Vacinar todo mundo. Essa é a medida que nós iremos tomar, continuar avançando na imunização”, diz Resende. 

O titular da SES ressalta que o estudo que está sendo realizado na fronteira e que irá vacinar toda a população adulta em 13 municípios já traz um avanço para Mato Grosso do Sul e vantagem sobre os outros estados. Ele citou que o Estado já tem remanejado doses que devem sobrar nas cidades contempladas pelo estudo. 

“Estamos crescendo e imunizando boa parcela da população, temos municípios terminando a vacinação em toda a população, acima de 18 anos. Acredito que com isso, vamos impedir o avanço desta variante aqui no Estado”, explica.

Atualmente, 47,44% da população sul-mato-grossense já tomou pelo menos a primeira dose da vacina contra o coronavírus. Os cidadãos imunizados, ou seja, que receberam a segunda dose, representam 22,29% da população em MS. 

Para Geraldo Resende, quando a nova variante chegar a Mato Grosso do Sul, a expectativa é que boa parte da população já esteja vacinada. “O processo está tão avançado que, com a possibilidade da variante entrar, poderá encontrar uma população imunizada, já com percentual de vacinados acima dos 60%, a chamada imunidade coletiva”.

Vacinação é a saída

Mato Grosso do Sul tem passado por queda de casos, internações e óbitos. Porém, o cenário pode mudar completamente caso a variante delta chegue ao Estado. Em entrevista ao Jornal Midiamax, o médico infectologista e pesquisador da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), Júlio Croda, disse que há a preocupação da variante delta, que já teve os primeiros casos confirmados no Brasil. A variante é, pelo menos, 2 vezes mais transmissível do que a P1 (Gama) e, consequentemente, mais letal.

“Se a variante [Delta] se tornar predominante [pode ter aumento de casos], pois não temos a cobertura vacinal alta, em torno de 70% a 90% [com as duas doses]. Somente com a cobertura de vacinados alta que vamos ter tranquilidade para enfrentar a nova variante”, observou.

Chamada de delta, a variante B.1.617 teve origem na Índia. Na Inglaterra, estudos comprovaram que ela se tornou 60% mais contagiosa que a cepa britânica, a alfa. Mas isso não significa que irá ocorrer o mesmo no Brasil. Depende de como vai se comportar diante da variante que mais circula e mais contamina no momento, a de Manaus, também chamada P.1. 

Atenção ao uso de máscaras

[Colocar ALT]
A máscara pff2 é considerada mais eficaz. (Foto: Leonardo de França)

Diante do risco da chegada de uma nova variante, é importante manter as medidas recomendadas pelas autoridades de saúde. Isolamento social, evitar aglomerações, utilizar máscaras e manter a higiene são as principais recomendações. Atualmente, a máscara considerada mais segura contra o coronavírus é a PFF2. Estudos apontam que as máscaras N95 ou PFF2 oferecem mais proteção e devem ser priorizadas em situações de risco. 

Mas, afinal, devo deixar minha máscara de tecido de lado? As máscaras de pano têm elementos filtrantes limitados, elas funcionam para impedir a entrada do vírus por gotículas, desde que essa máscara esteja seca, cobrindo nariz e boca. Desta forma, as máscaras PFF2 e cirúrgicas são superiores na sua eficácia, já que é eficaz para pequenas partículas, denominadas aerossóis. Contudo, é importante ressaltar que as máscaras funcionam como barreira física, então seja de tecido ou as profissionais, o importante é utilizá-las.

(Colaboração Gabriel Maymone e Ranziel Oliveira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *