29 de outubro de 2020

Petista de MS diz que, se houver delação, ‘FHC e companhia limitada caem’

Mas, segundo Biffi, Delcídio não pensa em delatar

Jéssica Benitez

O presidente do PT sul-mato-grossense, ex-deputado federal Antônio Carlos Biffi, disse que se o senador Delcídio do Amaral resolver fazer delação premiada, o ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e outras pessoas envolvidas com o tucano durante sua gestão, ‘vão cair’. Ele também negou que o petista já tenha acertado entrar em processo para delatar algo.

“Por enquanto não tem nada disso, até mesmo porque se decidir delatar vai cair o Fernando Henrique Cardoso e Cia limitada”, disse ao Jornal Midiamax dando risada em seguida. Esta semana os noticiários publicaram que o ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, relatou aos procurados, na fase de sua delação premiada, que Delcídio recebeu propina de US$ 10 milhões da multinacional Alstom entre 1999 e 2001 quando FHC era presidente do Brasil.

Nesta época o senador, preso pela Polícia Federal há quase 20 dias, era diretor de Óleo e Gás da estatal. Cerveró, por sua vez, era um dos gerentes do setor. A prisão do petista ocorreu justamente porque ele tentou obstruir investigação da Operação Lava Jato. Em gravação de áudio ele aparece ofertando R$ 50 mil por mês a Cerveró para que não fosse citado nos depoimentos prestados à polícia.

Além disso, traçou rota de fuga ao ex-diretor da Petrobras. Segundo delação o pagamento da propina foi feito por meio da compra de turbinas para termoelétrica que seria construída no Rio de Janeiro com custo de US$ 550 milhões.

Com ameaça de apagão em todo o País entre os anos de 2001 e 2002, a estatal queria construir a TermoRio logo. Segundo reportagem da Folha de São Paulo quem intermediou o esquema foi o lobista Afonso Pinto Guimarães. Em documento apreendido com Diogo Ferreira, chefe de gabinete do senador preso também em 25 de novembro, trazia as seguintes inscrições: “Nestor, Moreira, Afonso Pinto” e “Guimarães Operador Alstom BR pago p/ Delcídio”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *