22 de abril de 2024

Gerson Claro é eleito presidente da Assembleia com 23 votos

O progressista só não teve unanimidade dos votos devido a candidatura avulsa do deputado Rafael Tavares (PRTB), que votou nele mesmo.

Além de Gerson Claro, foram eleitos ainda para os demais cargos da Mesa 1º-vice-presidente, Renato Câmara (MDB); 2º – Vice-presidente, Zé Teixeira (PSDB); 3º – Vice-presidente, Mara Caseiro (PSDB); 1° Secretário, Paulo Corrêa (PSDB); 2º-secretário, Pedro Kemp (PT); e 3º Secretário, Lucas de Lima (PDT).

Durante discurso de posse, o deputado agradeceu o apoio dos parlamentares pelo voto de confiança, enalteceu o ex-presidente Paulo Corrêa (PSDB) e aos demais membros da Mesa pelo trabalho desenvolvido na legislatura passada, ao então governador  Reinaldo Azambuja (PSDB), de quem foi líder na Casa, e defendeu a manutenção da harmonia entre os poderes, além da parceria institucional com o governo de Eduardo Riedel (PSDB) em favor de políticas públicas visando o desenvolvimento do Estado.

Gerson Claro se emocionou ao mencionar a participação do deputado Londres Machado (PP),. decano na  Casa, durante as articulações que resultaram na sua indicação para presidir a Casa Legislativa.

“Nesta emblemática cadeira, serei conduzido pelos preciosos conselhos do bom senso e do diálogo propositivo, além das visitas de sabedoria ao gabinete do nosso decano, o experiente e amigo Londres Machado, e à luz da transparência, e movido pelos valores herdados da minha família, do meu saudoso pai, Adão Claro, e minha mãe, Dona Marlene”, disse, sob lagrimas.

Ele defendeu entre, outros aspectos, investimento de recursos na Educação, dizendo ser prova viva de que o setor  é um poderoso instrumento na construção do ser humano e de oportunidades.

“Na educação, só os investimentos continuados  e decisivos em qualidade podem construir um novo futuro para a nossa gente e para as próximas gerações de sul-mato-grossenses. Nobres colegas, eu sou prova viva de que a educação é um poderoso instrumento na construção de um caminho de oportunidade, e é por meio dela que acredito ser possível transformar a sociedade”.

Orçamento

Gerson Claro irá comandar um orçamento anual de R$ 427,4 milhões.

No valor de 35,6 milhões, o duodécimo do Poder Legislativo e demais poderes foi aprovado em dezembro do ano passado pelos atuais parlamentares  como parte do Orçamento Geral do Estado para o exercício financeiro de 2023, no total de R$ 22 bilhões.

Gerson Claro chega ao comando da Casa Legislativa depois de uma trajetória extraordinária envolvendo passagens por importantes cargos e funções públicas, sobretudo, forte poder de articulação política e estreita relação de amizade com as principais lideranças regionais e nacionais, como são os casos do então governador Reinaldo Azambuja, de quem foi líder na Assembleia, e da deputada federal, ex-ministra da Agricultura e senadora eleita, Tereza Cristina (PP-MS).

CONFIRA A ÍNTEGRA DO DISCURSO DE POSSE

Senhores deputados e deputadas;

Este Parlamento está onde sempre esteve: pronto para cumprir o seu papel, defendendo os princípios da nossa Constituição, respeitando as leis, advogando as causas coletivas e promovendo o bem comum, ao lado do nosso povo.

 

Com grande esperança, começo fazendo uma entusiasmada saudação a cada um dos parlamentares aqui hoje empossados e ao início desta promissora 12a Legislatura.

Que ela possa representar uma jornada transformadora e gratificante, guiada pelos legítimos compromissos que assumimos nas ruas, com cada sul-mato-grossense, na grande caminhada democrática que fizemos pelo estado e que nos trouxe até aqui – à honrosa responsabilidade de um mandato popular, concedido pelo voto direto da população.

Tenho certeza que este grande  sonho, que nos enche de orgulho neste momento, jamais seria possível, se não tivéssemos contado, cada um de nós, com o verdadeiro esteio das nossas vidas -as nossas famílias.

Nossos pais, esposas, filhos e filhas, amigos da primeira hora, além de uma vasta e próxima classe política, prefeitos, vereadores e militantes que marcharam ao nosso lado, ombro a ombro, em cada canto desse nosso Mato Grosso do Sul.

Por isso, agora como presidente desta Casa de Leis, minha primeira palavra não poderia ser outra, senão gratidão.

Tocado por um sentimento de alta responsabilidade,  agradeço  especialmente o desprendimento dos meus pares e este indiscutível voto de confiança.

Recebo esta honrosa missão com disposição redobrada, para estar à altura das responsabilidades deste Parlamento; dos desafios do nosso estado; e dos anseios do nosso povo.

Posso assegurar, com toda convicção:

Nesta emblemática cadeira, serei conduzido pelos preciosos conselhos do bom senso e do diálogo propositivo, além das visitas de sabedoria ao gabinete do nosso decano, o experiente e amigo Londres Machado, e à luz da transparência, e movido pelos valores herdados da minha família, do meu saudoso pai, Adão Claro, e minha mãe, Dona Marlene.

O compromisso inegociável com a democracia será vital, através de um regime de respeito aos direitos e deveres individuais e à plena liberdade para o exercício do contraditório, matéria prima do exercício democrático, submetido sempre ao regimento interno e à expressão da vontade deste plenário.

Convocaremos, sempre, as virtudes da moderação e o espírito da conciliação, para  garantir a primeira prerrogativa desta Casa –a sua vocação insubstituível, como amplo espaço forjado pelo debate das ideias, o respeito às diferenças, à legitimidade das críticas construtivas e à formação de um painel vivo e representativo da nossa sociedade, em toda a sua complexa pluralidade.

Assim cada uma das senhoras e dos senhores deputados será considerado e tratado por esta Presidência – como autênticas lideranças que são, guardiões e guardiãs dos sonhos dos sul-mato-grossenses.

Espero que este plenário os acolha e dê voz às demandas  do nosso povo, para que possamos cumprir nossa principal tarefa: dar uma efetiva contribuição para elevar o nível de qualidade de vida da nossa gente.

Colocadas essas premissas, destaco o  papel decisivo que o Legislativo Estadual vem assumindo nos últimos anos, na busca incessante de saídas e soluções para os problemas de estado e da vida cotidiana, postura que, tenho certeza, levaremos adiante como prerrogativa intocável nestes próximos anos.

Em poucos trechos da história, fomos tão desafiados e alcançamos tão decisiva responsabilidade coletiva.

Enfrentamos e superamos graves crises simultâneas e uma pandemia inesperada, que parou o mundo, nos impôs perdas irreparáveis de vidas e nos obrigou a reinvenção de modelos, atividades e comportamento.

Em nenhum desses momentos críticos o Parlamento faltou ao Mato Grosso do Sul. E aqui quero fazer uma justa e merecida homenagem à Mesa Diretora que me antecedeu, na pessoa do deputado Paulo Corrêa, presidente, e deputado Zé Teixeira, 1º secretário, pela laboriosa condução dos trabalhos. Nosso reconhecimento e gratidão.

Aqui recebemos e ajustamos o arcabouço da maior reforma administrativa da nossa história, para reduzir gastos, custos e desperdícios, itinerário da recuperação da imprescindível capacidade de investimentos do Estado.

Diante da crise, ameaça de insolvência, respaldamos o ajuste fiscal necessário, que manteve o estado de pé e proporcionou, mais adiante, a mais substantiva retomada econômica no país e um novo ciclo de crescimento.

Sob críticas e ataques, superamos corajosamente o capítulo da reforma da Previdência Estadual, eliminando o risco de comprometimento futuro do pagamento de aposentadorias e pensões. Para isso foi preciso coragem desta Casa, e do então governador Reinaldo Azambuja, que ousou se posicionar em prol do Estado.

E aqui devo recordar aos que me ouvem:

Jamais nos acovardamos perante as pautas apontadas como impopulares, mas necessárias, conscientes de que muitas vezes  o remédio amargo  é o que salva vidas, debela crises e muda o destino das pessoas.

Da mesma forma, revisamos os incentivos fiscais sob a lupa de um forte processo de modernização e desse trabalho floresceu um volume recorde de investimentos privados no estado, geradores de emprego e renda e uma substantiva dinâmica econômica.

Nesse tempo, soubemos tocar uma série de projetos complexos, de natureza estruturante,  dando a eles a preciosa contribuição do Parlamento no manejo  responsável do orçamento público.

Foi um período exemplar de parceria entre os Poderes e uma inédita disposição para convergir, para que prevalecesse, sempre, as prioridades do estado e o interesse público.

Caro governador Eduardo Riedel,

Peço licença para cometer a ousadia de falar em nome deste Plenário e garantir, sem medo de errar, a integridade desses valores e a nossa renovada disposição para o trabalho, como princípios orientadores do Legislativo Sul-Mato-Grossense, tendo como objetivo uma vida melhor para a nossa gente.

Temos consciência de que tudo o que foi feito até aqui – e muito foi feito, com a nossa efetiva participação -, não basta para que o estado avance ainda mais e alcance a posição que todos queremos e buscamos – um estado próspero, gerador de mais oportunidades para todos, guardião de políticas públicas eficientes, e capaz de distribuir com mais justiça e equidade as riquezas que geradas pelo alto crescimento.

Precisamos vencer grandes paradoxos que ainda nos desafiam, que ficaram claros nos indicadores que respaldaram o programa de governo que venceu o último pleito.

Se somos um estado nos aproximando do pleno emprego, ainda não conseguimos gerar melhor empregabilidade, para que o nosso trabalhador ocupe os postos de melhor remuneração disponíveis no nosso mercado.

Esta condicionante nos impõe a desafiadora realidade de hoje: cerca da metade do contingente da população trabalhadora recebendo  um e meio salário como remuneração.

Por isso precisamos apoiar um esforço decisivo de qualificação em massa do nosso capital humano.

Uma iniciativa que, por exemplo, também pode transformar para melhor  a realidade de milhares de mulheres chefes de família, que tocam uma jornada múltipla, em casa, no trabalho… sendo que muitas delas sonham voltar a estudar para melhorar de vida.

Até que uma nova realidade floresça, temos o dever de trabalhar juntos para garantir a efetividade dos programas de transferência de renda aos mais vulneráveis.

Além de assistir, também temos a obrigação de abrir novas portas para a superação definitiva da pobreza extrema.

No campo das grandes políticas públicas essenciais, é senso comum a prioridade para a conclusão do processo de descentralização e regionalização dos serviços de saúde pública, atacando ineficiências que ainda permanecem, como as filas e  a lentidão dos processos de atendimento.

Na educação, só os investimentos continuados  e decisivos em qualidade podem construir um novo futuro para a nossa gente e para as próximas gerações de sul-mato-grossenses. Nobres colegas, eu sou prova viva de que a educação é um poderoso instrumento na construção de um caminho de oportunidade, e é por meio dela que acredito ser possível transformar a sociedade.

Na segurança, é imperativo continuar suprindo a necessidade de recomposição dos contingentes das nossas Forças, aliando-as a um novo e verdadeiro salto tecnológico.

Na produção e no meio ambiente, a agenda que se impõe é a do novo paradigma da sustentabilidade e do sonho possível de sermos o primeiro estado do país com a economia descarbonizada e, em seguida,  estado modelo carbono zero.

Ou seja, ainda há muito o que fazer.

No plano político, tenho ouvido atentamente as palavras do governador e a convocação que ele vem insistentemente fazendo, para que o ajudemos a distensionar o ambiente de polarização e extremismo, lado a lado, que não ajudam o Brasil e o Mato Grosso do Sul.

Entendo que esta é tarefa também nossa, visto que aqui nesta Casa estão representados todos os segmentos da sociedade sul-mato-grossense.

Repito aqui as sensatas palavras do governador:

Devemos respeitar o posicionamento de todos, porque estamos em um regime democrático, mas precisamos nos esforçar para que a agenda ideológica não se sobreponha à verdadeira agenda que nos interessa – a  do crescimento, dos empregos, dos investimentos e demais de ações dos Poderes Públicos para melhorar a vida das pessoas.

Esta, afinal, é a razão pela qual estamos aqui.

Senhores deputados e deputadas;

Senhor governador;

Representantes dos Poderes constituídos;

Prefeitos, prefeitas, vereadores e vereadoras, lideranças municipais aqui hoje presentes.

Meus amigos,

Este Parlamento está onde sempre esteve: pronto para cumprir o seu papel, defendendo os princípios da nossa Constituição, respeitando as leis, advogando as causas coletivas e promovendo o bem comum, ao lado do nosso povo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.